Para ler NO Deserto

“Agora, pois, dá-me este monte de que o Senhor falou naquele dia; porque tu ouviste, naquele dia, que estavam ali os anaquins, bem como cidades grandes e fortificadas. Porventura o Senhor será comigo para os expulsar, como ele disse.”(Josué 14:12)

VISITANTE NUMERO


Visualizar estatísticas do Blog

PÁGINAS DO BLOG

sábado, 17 de julho de 2010

Pare e pense

“O SENHOR Deus estava com José. Ele morava na casa do seu dono e ia muito bem em tudo.  O dono de José viu que o SENHOR estava com ele e o abençoava em tudo o que fazia.  Assim, José ganhou a simpatia do seu dono, que o pôs como seu ajudante particular. Potifar deu a José a responsabilidade de cuidar da sua casa e tomar conta de tudo o que era seu.” (Gênesis  39:2 a 4)
                José tinha tudo para ser uma pessoa cheia de amargura, mas ele optou por manter sua fé em Deus inabalada, permanecendo fiel a Ele. O resultado? O ímpio Potifar percebeu que havia algo sobrenatural, pois tudo prosperava nas mãos de José. Você já ouviu o ditado que diz “O justo paga pelos pecadores”? Nos tempos de escola, quando um colega aprontava alguma, toda a turma ficava de castigo, e esse ditado corria a sala, como uma certeza absoluta. Mas a realidade é diferente. Deus não castiga o justo por causa do pecador, pelo contrário, Ele abençoa o ímpio por amor ao justo (como no caso de José)
.                 E você? A sua presença tem trazido bênçãos aos que estão à sua volta? E preste atenção: bênção de Deus não se mede em $$$ (falei sobre isso numa postagem dias atrás). O homem fiel será coberto de bênçãos, mas o que se apressa a enriquecer não ficará impune. (Provérbios 28:20)

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Pare e pense

Bruno, o Levita e o Valor da Vida

A Bíblia conta a história de um levita, em Juízes 19, que saiu errante com sua concubina e tendo chegado em Gibeá, passou ali a noite. Depois de permanecer na praça, um homem velho efraimita que morava em Gibeá lhe deu guarida. Porém, os moradores daquela região cercaram a casa, insistiram e tomaram sua companheira (do levita) e abusaram dela sexualmente até ao amanhecer. Não resistindo, veio a falecer. Seu companheiro a esquartejou e enviou pedaços de seu corpo às doze tribos. O ocorrido causou grande indignação dos filhos de Israel para com os habitantes de Gibeá e houve guerra entre eles.

Alguns, hoje, advogam que aquele levita estava fora do plano de Deus e por isso tudo aquilo sobreveio a ele. Nossas teologias igrejeiras têm a teimosa mania de relacionar toda as tragédias aos pecados das vítimas. Esquecem que o contexto (capítulos 17 a 21) fala de um período de apostasia, de um povo que servia a Deus, mas deixou-se corromper pelos costumes pagãos e enfoca a violência de uma gente sem rei e sem lei (v.1). Naquele tempo todos faziam o que queriam porque Sansão teve o seu ministério encurtado por conta de sua desobediência e foi ceifado cedo, antes de cumprir seu tempo de juiz. O peregrino não queria passar a noite em cidades que não fossem de Israel, por isso escolheu aquela cidade, mas infelizmente Gibeá estava tomada da violência e crueldade, típicas dos antigos moradores cananeus. Em Lucas 13.1-5, o Senhor Jesus mostra claramente que homens bons e maus morrem de igual modo, e todos devem se arrepender igualmente. Ele próprio não tinha pecado e morreu tragicamente numa Cruz para nos salvar. E o que dizer dos apóstolos, cuja história relata que morreram todos martirizados? E Estevão? E Paulo? E Policarpo? e Jonh Huss?

Assisti, no Jornal Hoje, um lamentável levantamento de quanto o jogador Bruno, goleiro do Flamengo, clube carioca, poderia acumular de riquezas se continuasse jogando. Disse o especialista que se permanecesse no Brasil, acumularia 40 milhões de reais e se fosse transferido para o exterior poderia chegar aos 100 milhões. Esta é a realidade da sociedade e do mundo em que vivemos. Em pleno processo investigativo, onde o esportista é suspeito de haver mandado matar uma ex-namorada, a rede Globo de Televisão teve a brilhante ideia de calcular quanto o homem perderá em dinheiro. Alguém na emissora citada poderia citar quanto vale a vida da Eliza? A dor dos pais dela? As consequencias sobre a vida da criança que hoje completa cinco meses de vida? Os resultados psicológicos na vida dos participantes desse crime bárbaro, como o adolescente que presenciou toda a cena e confessou que não consegue deixar de ver Eliza?

Quanto vale a vida? Quanto vale uma alma para o Reino de Deus? Ou vamos brincar de determinismo agora e dizer que foi assim porque não era para ela ser salva mesmo, afinal era uma "modelo" ou que participou de filmes adultos e por isso mereceu esse tipo de morte? Morte descrita com requinte de crueldade, nem mesmo visto nos filmes de Mel Gibson. Disse o delegado que as últimas palavras da moça teriam sido: "Eu não aguento mais apanhar". Ninguém diz isso sem antes ser maltratada como um verme, um bicho. Li nos muitos jornais de nosso país que os criminosos teriam desossado o corpo (como um animal, um boi de frigorífico), dado sua carne para cães de raça rottweiler e depois concretado os ossos para não serem descobertos.

A investigação ainda corre, mas quero chamar a atenção para o que o ser humano sem Deus é capaz de fazer. E agora não importa tanto se o Bruno foi abandonado pelos pais quando bebê e criado pelos avós. Conheço muita gente abandonada em portas de casas de estranhos que crescem e são pessoas de bem. Os calvinistas estão certos quando falam de depravação total ou os arministas quando alegam que foi parcial? E por que a Igreja é tão omissa enquanto o assunto comove a nação inteira e não se pronuncia contra ou a favor? Alguém pode alegar que não pediram nossa opinião e por isso não nos metemos em questões que não nos dizem respeito.

Sou muitíssimo a favor de que a igreja ore pelo mundo, pelas pessoas, pela salvação, pelas autoridades, pelos reis da terra, pela paz de Israel e de Jerusalém, mas também sou a favor de que a igreja vá a público para dizer que é contra esse tipo de violência, contra o pecado, contra a corrupção, contra as fichas sujas dos políticos e das convenções das igrejas evangélicas, inclusive. Não uma igreja que sai às ruas para fazer movimento com som de trio elétrico para chamar atenção para sua denominação e sua suposta influência na sociedade, enquanto seus líderes são presos não por amor a Cristo, mas por outras causas desprezíveis. Não sou a favor de uma igreja que marcha de um lado para o outro da cidade, mas não marcha para o Céu.

Neste ano de eleições, infelizmente, temos que reconhecer que boa parte de nossos políticos nada fazem para o bem-estar da sociedade. A maioria deles defende os interesses de suas denominações, dá títulos de cidadania a pastores que estão em eminência e coloca nome de cristãos destacados, segundo seus interesses particulares, em ruas de suas cidades, enquanto deveriam criar e votar leis mais justas, contra a violência e a desigualdade social. Quanto custa um mandato político? Quanto custa ser eleito? Quanto vale um voto? Quanto vale a vida da concunbina do levita errante? Quanto vale a vida da Eliza? Quanto vale a vida do nenen? E a do menor infrator? E a do Bruno? Quanto vale a vida dos executores? Quanto vale uma alma?

Eliza não era mais pecadora que qualquer outro cidadão para merecer uma morte bárbara. O ser humano é mau desde sua mocidade e é capaz de praticar os crimes mais hediondos e inimagináveis. Somente o Evangelho de Jesus poderia converter os moradores de Gibeá. As leis não vão extinguir o pecado, mas com certeza vão impedir o avanço da barbarie. E quem sabe as emissoras de televisão e os formadores de opinião teriam um coração mais humano, mais solidário, e repensassem o ser humano em termos de vida e não de valores.

Maranata. Ora Vem Senhor Jesus!
Deus abençoe a todos.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Pare e pense

                          Hoje quero compartilhar o vídeo abaixo, bastante conhecido e que ilustra a condição humana em sua busca por salvação e PAZ. Expressa de maneira simplória a GRAÇA derramada e que possibilita salvação.




Um dos detalhes que eu fico mais maravilhado no vídeo apresentado, é que deixa bastante claro que nenhum esforço humano pode trazer salvação. Todas as religiões, indistintamente, e inclusive os religiosos cristãos, são incompetentes e insuficientes, apenas agravando a angústia e sofrimento. O único, preste atenção caro leitor, o ÚNICO que desce até o fundo do abismo e literalmente te carrega até um firme lugar é JESUS CRISTO, o autor e consumador da nossa fé.
PENSE NISTO

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Homenagem a Meu Irmão


Fui premiado com a subida honra de tecer também comentários no espaço riquíssimo que o Dálton criou. Tive a honra de ser o primeiro a ler o livro "Calebe, o Destruidor de Gigantes", de sua autoria. A anunciar uma carreira promissora de escritor a que se somam suas muitas qualidades.

Dálton é um Forte! Batalha, luta, VENCE ("em tudo somos vencedores", diz nas Escrituras!).

A postagem anterior homenageia nosso pai, morto a 14 de julho de 1974. Leucemia. Seguramente contraída devido à profissão que ele escolheu (ficando exposto aos raios catódicos de válvulas e tubos de imagem além de campos eletromagnéticos os mais diversos...) e a que se dedicava com grande empenho para dar a nós 5, seus filhos, o melhor, principalmente em termos de formação moral. 36 anos após o seu passamento, todos sentimos ainda muito a sua falta e o 14 de julho, além da Queda da Bastilha, nos recorda do dia mais trágico de nossa existência.


No Colo: Dálton e mAninha. Ao chão, o Nano (eu)

Dálton é um Homem de Fé, de elevada Estatura Física, Moral e Intelectual. Tenho profundo respeito por ele que, além disso, é um Homem profundamente religioso que, neste momento, mais do que "falar a respeito" - como boa parte dos religiososo falam, contrariando tudo o que fazem - Dálton FAZ. E isto também está escrito nos mandamentos: "Honra a Teu Pai e a Tua Mãe!"

Passando por provações o caminho que meu irmão escolheu o leva inexoravelmente a uma ressurreição miraculosa! Como dizia Davi, mesmo no "De Profundis" clamou Dálton a seu Deus e este vem lhe proporcionando vitórias e ascenções em espirais sucessivas!

Muito sucesso, meu Irmão! Obrigado por ser este homem maravilhoso e cheio de Fé de que todos nos orgulhamos! Obrigado pela lembrança de nosso saudoso painho.

Parabéns a você por ser um Homem que pode estufar o peito e dizer: "Se um dia a Honra, a Honestidade, a Fidelidade, o Cavalheirismo, a Generosidade, a Mansidão, a Perseverança no Bem e a Dignidade Humana se perdessem deste mundo encontrariam refugio seguro cá no peito meu!"

Parabéns a todos os seguidores deste Blog que, crescendo, já é um MARCO para a propagação de idéias evangélicas em língua portuguesa!

Homenagem Especial

                    “LOUVAI ao Senhor. Bem-aventurado o homem que teme ao Senhor, que em seus mandamentos tem grande prazer. A sua semente será poderosa na terra; a geração dos retos será abençoada Prosperidade e riquezas haverá na sua casa, e a sua justiça permanece para sempre. Aos justos nasce luz nas trevas; ele é piedoso, misericordioso e justo. O homem bom se compadece, e empresta; disporá as suas coisas com juízo; Porque nunca será abalado; o justo estará em memória eterna. Não temerá maus rumores; o seu coração está firme, confiando no Senhor. O seu coração está bem confirmado, ele não temerá, até que veja o seu desejo sobre os seus inimigos. Ele espalhou, deu aos necessitados; a sua justiça permanece para sempre, e a sua força se exaltará em glória. O ímpio o verá, e se entristecerá; rangerá os dentes, e se consumirá; o desejo dos ímpios perecerá.” Salmos 112:1 a 10)
                   Diz a palavra de Deus que a memória do justo é abençoada (provérbio 10:7). O Salmista completa Louvando a Deus pela bem aventurança daqueles que temem ao Senhor. Nunca será abalado, diz o Salmista, não temerá maus rumores, mantendo o coração firme, pois confia no Senhor. Glória a Deus!!
                Diante do que diz a palavra de Deus, e como o Salmista, que declara que o justo estará em memória eterna, quero hoje prestar homenagem à memória de um grande homem, condenado à morte por um câncer no pulmão em 1972, com esposa e cinco filhos, idades entre 2 e 14 anos, lutou até à morte, ocorrida no dia 14 de julho de 1974, deixando um legado de ética, honradez, honestidade, exemplo de vida a ser copiado e seguido, testemunhando até na hora de sua morte, tendo dedicado seus últimos suspiros a entoar o cântico abaixo, num misto de profecia e testemunho para toda a nossa família.
                 Não se trata de culto aos mortos, mas apenas de uma sincera e humilde homenagem ao seu testemunho de vida (até na hora da morte). Hoje seus cinco filhos estão adultos, todos crendo que "A sua semente será poderosa na terra; a geração dos retos será abençoada Prosperidade e riquezas haverá na sua casa, e a sua justiça permanece para sempre. Aos justos nasce luz nas trevas; ele é piedoso, misericordioso e justo."
                     À minha mãe, restou a difícil tarefa de conduzir aquelas cinco almas deixadas sob sua responsabilidade. E o tem feito com extrema eficiência, seja pelo exemplo, seja pelo ensino. Fazendo-nos crer que realmente Deus não nos prova além de nossa capacidade. Numa sociedade cada vez mais marcada por famílias esfaceladas, relacionamentos rompidos (e corrompidos), ela soube, por divina inspiração, criar aqueles cinco filhos debaixo do temor de DEUS.

O hino-testemunho, entoado por meu pai, nos seus momentos finais aqui na terra:


Pare e pense

RECEITA CONTRA INSÔNIA
“Há muitas pessoas que oram assim:  Dá-nos mais bênçãos, ó SENHOR Deus, e olha para nós com bondade! Mas a felicidade que pões no meu coração é muito maior do que a daqueles que têm comida com fartura. Quando me deito, durmo em paz, pois só tu, ó SENHOR, me fazes viver em segurança.” (Salmos 4:6 a 8 NTLH)
Nos dias de hoje, conturbados por tantos anseios (e receios), quando os jornais insistem em estampar a cada dia matérias mais sanguinolentas, muitas das igrejas ditas evangélicas pregam o evangelho fácil, em que Deus deve agir como o gênio da lâmpada, e as pessoas são levadas a valorizar cada vez mais o quanto conseguem arrancar desse Deus, em matéria de bênçãos materiais, essa situação toda acaba gerando tamanha ansiedade que literalmente “tira o sono”.
No entanto, na Bíblia ( a mesma que esses irmãozinhos carregam debaixo do braço, mas insistem em não ler) está a receita contra toda e qualquer insônia. Leia todo o Salmo 4, e veja maravilhado o quanto nosso Deus é maravilhoso, bondoso, misericordioso. Declare como o Salmista: Há muitas pessoas que oram assim:  Dá-nos mais bênçãos, ó SENHOR Deus, e olha para nós com bondade! Mas a felicidade que pões no meu coração é muito maior do que a daqueles que têm comida com fartura”. As pessoas ao nosso redor andam oprimidas, tensas, sem PAZ, pois buscam com veemência possuir, mas o que lemos (você pode declarar isso?) é que Enquanto existem tantas pessoas que oram pedindo a Deus mais e mais bênçãos, nós podemos declarar que a felicidade (a paz, a alegria, a serenidade) que DEUS põe em nosso coração é muito (mas muito mesmo!) MAIOR do que a daqueles que possuem tantas coisas. E é exatamente essa serenidade do coração que nos possibilita declarar junto com o Salmista: “. Quando me deito, durmo em paz, pois só tu, ó SENHOR, me fazes viver em segurança.” Entenda que é apenas DEUS, e unicamente ELE que nos proporciona essa maravilhosa, indescritível, infinita e absurda PAZ, não como a que o mundo dá, mas aquela prometida por Jesus em João 14:27. Uma PAZ que o mundo não pode dar (e nem compreender), aquela PAZ que te faz permanecer tranqüilo mesmo quando tudo à sua volta está ruindo, uma PAZ aonde toda a segurança do mundo é lixo.
Certa vez, quando eu trabalhava no Mato Grosso, conheci um cliente do banco que pode ilustrar muito bem o que eu digo. Fazendeiro bem sucedido, comprou uma linda casa, uma camionete “ultimo tipo”, com todos os acessórios disponíveis na época (lembro que o seguro ficou uma nota...). Para minha surpresa, esse cliente em poucos meses voltou à agência para cancelar o seguro da camionete chiquérrima. Perguntei-lhe o porquê, e ele me respondeu que havia vendido a tal camionete, pois desde que a adquiriu não conseguia dormir à noite, levantando várias vezes para conferir se ela ainda estava na garagem. Disse que não tinha mais paz nem para andar na rua, com medo de ser assaltado. Percebe a diferença? Mesmo possuindo o melhor veículo da cidade, com seguro inclusive, sua PAZ, sua alegria com esse bem precioso desapareceu, deixando em seu lugar ansiedade, medo, frustração,  sentimentos que lhe consumiam por dentro. Preferiu livrar-se daquela camionete. Percebe a diferença entre a PAZ QUE Deus oferece e aquela que o mundo dá?
Se você sofre com esse mal (insônia), ore neste momento a DEUS, declare como o Salmista, e receba DELE essa PAZ que te faz dormir tranqüilo, mesmo durante o pior terremoto que possa existir.                                                                                                                                             PENSE NISTO

terça-feira, 13 de julho de 2010

Pare e pense

“Na primavera seguinte, época do ano em que os reis costumam sair para a guerra, Davi mandou que Joabe, os seus oficiais e o exército israelita fossem atacar os inimigos. Eles venceram os amonitas e cercaram a cidade de Rabá. Mas Davi ficou em Jerusalém.” (2Samuel 11:1)
                Os capítulos 11 a 20 registram os problemas de Davi nas áreas da moralidade, política e relações familiares, registrando as consequências terríveis do pecado. “época do ano em que os reis costumam sair para a guerra”, registra o texto bíblico, quando tudo começou. Mas Davi ficou em Jerusalém... Fico pensando neste detalhe. Por quê Davi não foi à frente de seu exército, como costumeiramente fazia? Ficando em Jerusalém, “de folga”, Davi cometeu adultério e assassinato. E tudo começou com ele ficando em casa quando deveria sair com seu exército. Uma pequena atitude, “tirar uma folga” na hora errada, pode te expor ao pecado, gerando uma sequência de erros de proporções “tsunâmicas”, como ocorreu na vida de Davi. Registre-se que, confrontado com seu erro, ele não apenas admitiu sua culpa, como apelou à misericórdia de Deus. Não buscou pôr a culpa em outro, não tentou justificar-se. Pediu misericórdia! Um exemplo de verdadeiro líder, um homem segundo o coração de Deus. Um homem que não é infalível, como tantos "pastores" se julgam ser hoje em dia, mas um homem disposto a assumir suas falhas e colocar-se debaixo da misericórdia e GRAÇA de Deus.
                E você, como tem se comportado diante dEle?

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Pare e pense



Meus irmãos, considerem motivo de grande alegria o fato de passarem por diversas provações,
pois vocês sabem que a prova da sua fé produz perseverança.
E a perseverança deve ter ação completa, a fim de que vocês sejam maduros e íntegros, sem lhes faltar coisa alguma.
Se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá livremente, de boa vontade; e lhe será concedida.
Peça-a, porém, com fé, sem duvidar, pois aquele que duvida é semelhante à onda do mar, levada e agitada pelo vento.
Não pense tal pessoa que receberá coisa alguma do Senhor,
pois tem mente dividida e é instável em tudo o que faz.
O irmão de condição humilde deve orgulhar-se quando estiver em elevada posição.
E o rico deve orgulhar-se caso passe a viver em humilde, porque o rico passará como a flor do campo.
Pois o sol se levanta, traz o calor e seca a planta; cai então a sua flor, e a sua beleza é destruída. Da mesma forma o rico murchará em meio aos seus afazeres.
Feliz é o homem que persevera na provação, porque depois de aprovado receberá a coroa da vida, que Deus prometeu aos que o amam.(Tiago 1:2 a 12)



Ao ler o texto de Tiago, sinto um tremendo conforto, meu coração se enche de alegria ao me deparar com mais um entre tantos textos da palavra de Deus de envergonham e deixam sem palavras os falsos pastores que baseiam sua crença na prosperidade, que medem bênçãos de Deus em progresso material constante, em ausência de provações. Esta’ na hora de aqueles que pretendem se chamar de cristãos entendam que a vida Cristå vitoriosa não se mede com as medidas do mundo. Tiago diz que deve ser motivo de alegria o passar por provações, o que produz, gera, cria, perseverança. E perseverança e’ fundamental para uma vida crista vitoriosa.
Eu tive o privilegio de experimentar essa palavra em minha vida ha apenas um ano atrás. Enfrentando doença grave, crise financeira inimaginável, tendo sido convidado pelo pastor da igreja que freqüentava a “deixar de freqüentar a igreja dele, pois minha condição econômico financeira envergonhava aquela igreja” , busquei sabedoria da parte de Deus, para compreender o que se passava, pois ate’ aquele que deveria pastorear-me apontava o dedo acusador em busca de “pecado oculto” que justificasse tamanha provação. Foi exatamente neste tempo que Deus falou comigo ajudando-me a compreender e rever meus valores (corrompidos pela pratica existente na comunidade que freqüentava) e glorificar a DEUS. Tive a certeza de que nada era consequencia de pecado, mas sim provas, Deus estava me preparando para a sua obra. Nasceu o livro CALEBE-o demolidor de gigantes, nasceu este blog, e Deus tem restaurado totalmente minha vida e ministério.
E você, caro leitor, como tem encarado as provações? Rejeite aqueles que chegam, com o bafo de enxofre do diabo e acusando voce de coisas que nem mesmo esses acusadores sabem o que. Firme a sua vida e sua fe' naquele que e' poderoso para te instruir, confortar, salvar. Declare comigo como o salmista:Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece as minhas inquietações. Vê se em minha conduta algo te ofende, e dirige-me pelo caminho eterno.”(Salmos 139:23 e 24)

domingo, 11 de julho de 2010

Pare e pense


O Sucesso segundo Deus

                                                                                Hermes C. Fernandes

Basta entrar numa livraria, secular ou cristã, procurar as prateleiras de livros de auto-ajuda, para lá encontrar inúmeros títulos sobre sucesso.

"Como alcançar sucesso", "Sucesso não é acidente", "Sucesso é ser feliz", "Sucesso não acontece por acaso", "7 passos para o Sucesso", são alguns dos títulos que você poderá encontrar.

A maioria oferece um tipo de receita de bolo, com passos e ingredientes necessários para se obter sucesso.

Até aí, tudo bem. Vamos relevar...

O problema não está na receita em si, mas na definição de sucesso. O que é "sucesso", afinal?

Na ótica do mundo, sucesso pode ser considerado êxito profissional, aquisição de bens de consumo, realização conjugal, etc.

Que definição as Escrituras nos dariam? O que seria "sucesso" na ótica divina?

E mais: Qual seria o aferidor usado por Deus para medir nosso sucesso? Será que Ele se impressionaria com nossas realizações?

Poderíamos mensurar o sucesso de alguém pelo carro que dirige? Ora, o carro zero de hoje, será a lata-velha de amanhã. Não é em vão que se diz que o sucesso é efêmero, fugaz. Se nossa definição de sucesso se ativer à aquisição de bens, ou mesmo à fama, então tal ditado deve ser confirmado. A celebridade de hoje, poderá cair no esquecimento amanhã. O Retiro dos Artistas, situada em Jacarepaguá, RJ, está cheia de exemplos disso. Gente que foi sucesso um dia, e hoje está abandonada até pela família. Não fosse o belíssimo trabalho realizado por aquela instituição, muitos estariam, não apenas fadados ao esquecimento da população, mas entregues à miséria.

Haveria, então, um sucesso que não fosse passageiro? A resposta é sim!

E se estivermos interessados nesse sucesso, temos que recorrer às Escrituras em busca de sua definição.

Antes de definir "sucesso" na ótica divina, destaquemos dois exemplos bíblicos de sucesso, um segundo Deus, e outro segundo o mundo.

Comecemos pelo exemplo de sucesso segundo Deus: Moisés.

O escritor de Hebreus diz que "pela fé Moisés, sendo já homem, recusou ser chamado filho da filha de Faraó. Escolhendo antes ser maltratado com o povo de Deus do que, por algum tempo, ter o gozo do pecado. Teve por maiores riquezas o opróbrio de Cristo do que os tesouros do Egido, porque tinha em vista a recompensa" (Hb.11:24-26).

Quem, em sua sã consciência, recusaria participar da linha sucessória de Faraó? Em termos populares, Moisés estava com a faca e o queijo na mão. Como filho da filha de Faraó, ele era forte candidato ao trono da maior potência do mundo de então. Entretanto, ele abriu mão de tudo isso.

Passou quarenta anos peregrinando com os hebreus pelo deserto do Sinai. Ao morrer, sequer teve uma sepultura digna, como as dos faraós.

É sabido pelos arqueólogos que as famosas pirâmides egípcias foram construídas como gigantescos sarcófagos para os monarcas do Egito. Nelas eram depositados, não apenas o corpo do rei, mas também todos os seus tesouros. Quanto maior a pirâmide em que fosse sepultado, maior o sucesso que aquele Faraó havia alcançado durante sua gestão como soberado do Egito.

Porém, Moisés sequer teve uma sepultura. O texto bíblico apenas indica que o próprio Deus o sepultou, mas seu corpo jamais foi localizado.

Moisés trocou o cetro egípcio por um cajado rústico de pastor. Trocou a vida cômoda dos palácios por uma vida nômade. Alguém se atreveria a dizer que Moisés não obteve sucesso aos olhos de Deus?

A propósito, qual era o nome do Faraó contemporâneo de Moisés?

Alguns milênios se passaram, e pouquíssimas pessoas sabem o nome daquele monarca. Porém, tantos judeus, quanto muçulmanos e cristãos honram o grande libertador e legislador que foi Moisés.

Seu nome e sua obra jamais serão esquecidos. Até os ateus reconhecem em Moisés uma das mais importantes e emblemáticas figuras da História. Portanto, podemos afirmar que Moisés foi um homem de sucesso.

Como poderíamos definir "sucesso"?

Ou ainda, como Deus mediria nosso sucesso? Qual o critério pelo qual alguém é considerado bem-sucedido para Deus?

É notório que o apóstolo mais bem-sucedido foi Paulo. Ninguém fez tanto em tão pouco tempo. Foi seu empenho que proporcionou que o cristianismo avançasse para além das fronteiras judaicas.

É o mesmo apóstolo que nos revela que o sucesso de alguém é medido pelo número de ações de graça que são dirigidas acerca a Deus.

Ao conclamar a igreja de Corinto a participar da oferta que estava sendo levantada para ajudar os cristãos em Jerusalém, Paulo os estimula, dizendo:"Em tudo sereis enriquecidos para toda a generosidade, a qual faz que por nós se dêem graças a Deus. A ministração deste serviço, não só supre as necessidades dos santos, mas também transborda em muitas graças, que se dão a Deus. Visto que esta ministração prova que sois obedientes, e seguis o evangelho de Cristo, eles louvarão a Deus. E também louvarão a Deus pela liberalidade das vossas dádivas para com eles, e para com todos. E orarão com grande afeto por vós, por causa da execelente graça que Deus vos deu"(2 Co. 9:11-14).

Para o mundo, o sucesso é medido por aquilo que conseguimos amealhar, pelas riquezas que concentramos em nossas mãos. Para Deus, o sucesso é medido por aquilo que conseguimos distribuir, fazendo com que ações de graça pela nossa vida cheguem constantemente a Ele.

Pouco importa para Deus a marca do carro que dirigimos. O que importa são as pessoas a quem oferecemos carona, ou a quem socorremos em nosso veículo. O que importa não é quantos cômodos há em nossa casa, e sim quantas pessoas temos hospedado nela. Não importa a grife de nossas roupas, mas aqueles a quem agasalhamos.

Não há oração mais eficaz do que aquela regada de ações de graça.

Quantas pessoas têm se dirigido a Deus em ações de graça pela sua vida? Para quantos sua vida representa o dom dos céus?

A tradição protestante não admite que se faça oração por aqueles que já morreram. Mas nada nos impede de continuar agradecendo a Deus por alguém que já partiu deste mundo.

Quando leio um bom livro de um autor que viveu séculos atrás, eu louvo a Deus por sua vida, e pelo legado que ele deixou.

Agradeço aos céus pelo pai exemplar que tive, mesmo tendo deixado o mundo há quase oito anos. Embora ele não tenha deixado um grande patrimônio para a família, seu maior legado foi seu exemplo de vida, e assim como Abel, mesmo depois de morto, seu testemunho não perdeu a eloqüência.

Escrevendo para os cristãos de Tessalônica, Paulo diz: "Sempre damos graças a Deus por vós todos, fazendo menção de vós em nossas orações, lembrando-nos sem cessar da obra da vossa fé, do vosso trabalho de amor e da vossa firmeza de esperança em nosso Senhor Jesus Cristo, diante de nosso Deus e Pai (...) De maneira que fostes exemplo para todos os fiéis..."(1 Ts. 1:2-3,7a). Um pouco mais adiante, nesta mesma epístola, Paulo exclama: "Que ação de graças poderemos dar a Deus por vós, por todo o gozo com que nos regozijamos por vossa causa diante do nosso Deus...?"(3:9).

Paulo não poupou elogios aos irmãos daquela cidade. Aquela poderia ser considerada uma igreja padrão, exemplo para as demais, digna de que por ela se oferecessem ações de graça a Deus.

Conhecendo este princípio, Paulo não se inibe em pedir: "Ajudando-nos também vós com orações por nós, para que por muitas pessoas sejam dadas graças a nosso respeito..." (2 Co.1:11a). E mais adiante ele arremata: "Tudo isto é por amor de vós, para que a graça, multiplicada por meio de muitos, torne abundantes as ações de graça para a glória de Deus" (4:15).

Em vez de ficarmos por aí, rogando que os irmãos sempre orem por nós, que tal se nos tornarmos motivos de gratidão da parte deles para com Deus? Não será preciso pedir. Eles mesmos, expontaneamente, se lembrarão de nós quando estiverem ante o trono da graça, e agradecerão por nossas vidas.

Isso é sucesso! Que se multiplique o número de ações de graça pela sua vida! E quanto mais formos bênção na vida de outros, mais o Senhor terá prazer em manifestar em e através de nós as Suas bênçãos.

Antes de esperar que outros agradeçam a Deus por sua vida, pare um pouco para pensar, e lembre-se daqueles que têm sido bênçãos em sua vida. Agradeça a Deus por eles.

Leia mais em:
http://hermesfernandes.blogspot.com/2010/07/o-sucesso-segundo-deus.html

Inscreva seu e-mail e fique por dentro das atualizações!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...